Corte de árvores monstruoso no Bosque de Londrina

  O Bosque de Londrina, que é um motivo de orgulho para muitos londrinenses, centro de um planejamento urbanístico muito bonito que recebemos como legado dos primeiros moradores que criaram esta cidade com orgulho e muito amor, infelizmente é tratado

Corte de árvores monstruoso no Bosque de Londrina

  O Bosque de Londrina, que é um motivo de orgulho para muitos londrinenses, centro de um planejamento urbanístico muito bonito que recebemos como legado dos primeiros moradores que criaram esta cidade com orgulho e muito amor, infelizmente é tratado

Lareira Construflama acrescenta brilho à biblioteca do barista da dupla Sá e Cioni

Olegário de Sá e Gilberto Cioni  criaram para a edição de 30 anos da Casa Cor um ambiente acolhedor e masculino voltado à experimentação dos melhores cafés. A atmosfera sóbria é baseada em tons de cinza, mas recebe tons intensos para

Lareira Construflama acrescenta brilho à biblioteca do barista da dupla Sá e Cioni

Olegário de Sá e Gilberto Cioni  criaram para a edição de 30 anos da Casa Cor um ambiente acolhedor e masculino voltado à experimentação dos melhores cafés. A atmosfera sóbria é baseada em tons de cinza, mas recebe tons intensos para

Lareira Construflama aquece a Sala dos Amigos de Denise Barretto

Presente há 14 anos no maior evento de decoração e design da América Latina, a arquiteta Denise Barretto criou, desta vez, um ambiente com atmosfera tipicamente masculina, que convida ao bem-estar e ao encontro entre amigos. “Pensei em um espaço

Lareira Construflama aquece a Sala dos Amigos de Denise Barretto

Presente há 14 anos no maior evento de decoração e design da América Latina, a arquiteta Denise Barretto criou, desta vez, um ambiente com atmosfera tipicamente masculina, que convida ao bem-estar e ao encontro entre amigos. “Pensei em um espaço

Sala íntima de Alexandre Dal Fabbro tem lareira Construflama

Estreando na Casa Cor, Alexandre Dal Fabbro projetou uma sala inspirada no Rio de Janeiro e que fosse capaz de traduzir o verdadeiro sentido de conforto e funcionalidade. Foi a partir desta premissa que Alexandre Dal Fabbro iniciou seu primeiro

Sala íntima de Alexandre Dal Fabbro tem lareira Construflama

Estreando na Casa Cor, Alexandre Dal Fabbro projetou uma sala inspirada no Rio de Janeiro e que fosse capaz de traduzir o verdadeiro sentido de conforto e funcionalidade. Foi a partir desta premissa que Alexandre Dal Fabbro iniciou seu primeiro

Fogo, água, brutalismo e jardim na Casa Cor 2016

Envolvido pelo conceito do brutalismo na arquitetura e usando espécies tropicais brasileiras, o arquiteto paisagista Alex Hanazaki apresenta um jardim contemporâneo no Jockey Club de São Paulo especialmente criado para a Casa Cor 30 anos. Lareiras a gás e a

Fogo, água, brutalismo e jardim na Casa Cor 2016

Envolvido pelo conceito do brutalismo na arquitetura e usando espécies tropicais brasileiras, o arquiteto paisagista Alex Hanazaki apresenta um jardim contemporâneo no Jockey Club de São Paulo especialmente criado para a Casa Cor 30 anos. Lareiras a gás e a

Pau-brasil – Alguém sabe? Alguém viu?

Informações sobre geração de mudas de Pau Brasil Pelo menos eu nunca tinha visto um pé de pau-brasil em minha vida, mas o destino colocou-me como amigo Marcos Faleiro “russo”, morador de Nova Iguaçu no bairro de Cabuçu. No quintal

Pau-brasil – Alguém sabe? Alguém viu?

Informações sobre geração de mudas de Pau Brasil Pelo menos eu nunca tinha visto um pé de pau-brasil em minha vida, mas o destino colocou-me como amigo Marcos Faleiro “russo”, morador de Nova Iguaçu no bairro de Cabuçu. No quintal

/ 1972

Marcus Preto comenta “Acabou Chorare”, dos Novos Baianos 1972 Supertônica

Acabou Chorare. Por Marcus Preto Clássico de 1972 em revisão do jornalista e produtor musical 19/02/16 16:45 – Atualizado em 19/02/16 16:51 Clique no link abaixo e veja a matéria completa  http://culturabrasil.cmais.com.br/programas/supertonica/arquivo/acabou-chorare-por-marcus-preto (Julio de Paula) Segundo álbum dos Novos Baianos,

/ 1972

Marcus Preto comenta “Acabou Chorare”, dos Novos Baianos 1972 Supertônica

Acabou Chorare. Por Marcus Preto Clássico de 1972 em revisão do jornalista e produtor musical 19/02/16 16:45 – Atualizado em 19/02/16 16:51 Clique no link abaixo e veja a matéria completa  http://culturabrasil.cmais.com.br/programas/supertonica/arquivo/acabou-chorare-por-marcus-preto (Julio de Paula) Segundo álbum dos Novos Baianos,